Pular para o conteúdo principal

Reescrevendo a História: Des-cobrimento do Brasil.

Como mais uma criança (e ainda sou uma Criança Grande), eu gostava de simular o que teria acontecido em uma história se essa mesma história não tivesse acontecido de tal maneira. Escrevia, simulava, abstría sobre como ocrreriam as coisas de uma outra maneira, assim como fantasiá-las.

Costumava brincar de repórter e correspondente internacional em fatos importantes. Como seriam as coberturas jornalísticas de fatos como ...??

*******************************

História, Brasil, Crônicas, Pedro Álvares Cabral, índios

Des-cobrimento do Brasil (reportagem exclusiva do Jornal Nacional  de 22/04/1500):

"Por imagens de uma câmera escondida, flagramos a chegada de uma comitiva de portugueses sem-terra, seguida de uma negociação suspeita com índios nessa praia da Bahia. Percebemos, pelas imagens, que os suspeitos parecem esconder algo por dentro da roupa, já que o calor é infernal e considerando não haver água num veículo a vela como aqueles usados pelos estrangeiros.


A tal comitiva, transportada em três veículos toscos,  à vela, aparentemente sem higiene alguma, era formada de elementos, ao que parece, dos mais variados gêneros: heterossexuais, homossexuais, bissexuais, transsexuais, assexuados, padres, compadres e cães com pênis mutilado. 


Estariam os aborigenes interessados em contrabando de roupas, vindas diretamente da Europa, sem pagar impostos?? Estariam esse traficantes visando o cultivo de maconha nas terras indígenas??


O Chefe da Polícia Pré-Federal Pré-Histórica, ao ser questionado sobre as investigações, disse ser difícil o indiciamento de tais indivíduos, já que o litoral é extenso e a categoria encontra-se, no momento, em campanha salarial, pois recebe seus salários por meio de mandioca, guaraná e ervas exóticas. Quando perguntado sobre quais ervas ele falava, disse que não sabia enumerar todas, mas que não passavam de duas. Mas disse ainda que os responsáveis por eventuais excessos seriam responsabilizados. Não faria nada hoje, pois hoje, 22 de abril, está destinado a ser feriado. E nada, nem na Capital do Faz-de-Conta, funciona em feriado. Em dias úteis, e apenas em dias úteis, fazem de conta que funcionam!!


Esse é mais uma reportagem em primeira mão!! Detesto Palha (clone de Ernesto Paglia), direto da praia do Des-Cobrimento do Brasil, para o Jornal Nacional!! William Bonner!!"

 William Bonner:

 - Obrigado, Detesto!! Outras notícias você terá no Jornal da Globo ou ao longo de nossa programação. Fique agora com mais um capítulo da novela Trapinho das Índias. Boa noite!!

******************************

Fonte da charge: http://escolas.trendnet.com.br/mostrasjose/7bdesenhogeom2/cabral7.gif

Postagens mais visitadas deste blog

Greenpeace e LBV: Mercantilismo no Terceiro Setor

Com quase toda certeza, você já ouviu falar ou leu acerca do Greenpeace e da LBV, certo? Mas, você conhece, a fundo, a forma com a qual eles trabalham fora da mídia?
Com a tal onda de ativismo socio-ecológico e a ilusão de que poderíamos mudar o mundo político através da Internet, instituições como o Greenpeace e a LBV começaram a ganhar ainda mais espaço do que jamais suas imagens na mídia tinham conseguido. Com o advento da ditadura das redes sociais sobre a Consciência das pessoas, recriando modas, mudando a linguagem na comunicação, o que mais se fortaleceu foi o alcance dos instrumentos de marketing global dessas instituições, não a Conscientização dos seres humanos.  
E sabem por quê? Porque as cúpulas dirigentes dessas instituições dependem, em maior grau, do poder que o dinheiro proporciona à sanha do egoísmo, em consonância com os ditames de uma elite globalmente dominante. Sabem, também, que a maioria dos seres humanos não pensa, não raciocina, nem questiona, mas apenas reage …

Chico Anysio e a Velha Puta

Nesse dia, após sua partida deste Mundo, vamos relembrar e celebrar a inteligência e a acidez desse que foi o maior humorista brasileiro, Chico Anysio. Vá em Paz e obrigado pelo legado de sua Obra!



Malandro no Limbo

MALANDRO NO LIMBO
Para Edgar Allan Poe, in memoriam.


Deita-te, Malandro, Até a música acabar, O Tempo parar, O Limbo lamber, E o bardo gemer!
Senta-te, aqui, Malandro!  Tire esse escafandro Que te cobre! Oh, pobre  Malandro! Como o louco danças; Ris, te retrais num meandro, Te laceras entre os matos... Avanças!
Sim, avanças intrépido Por essa estrada curva. E, por mais que a água Te seja turva, Te apegas ao teu cajado lívido E te lanças...
Ah, essas crianças.... Coitadas, matreiras, Que paixões faceiras Elas te insuflam!
Mas, não te aflijas, Malandro! As folhas de Coqueiro Até hoje me camuflam; Essas quais te dão cheiro, Charme e te são por travesseiro.
Elas te protegerão do Céu Que te esmaga; Te sustentam o Véu Que te puxa... Vai-te, joga-te! Paga!
Dissolve esse breu medonho! Não te entendem jamais Quando grita do teu Profundo Inferno, esse seu Demônio! Que na Vida te ponho, Recobro, te assanho! Não ri o que pensa que venceu, Quando a Vitória desapareceu, Nessa Vida que é  Um Sonho dentro de um Sonho?



*******
Visite meu outro blo…